Top 10 Melhores Histórias do Capitão América de Todos os Tempos

O Complex Pop Culture leu diversas HQs do Capitão América, e elaborou uma lista com as 10 melhores histórias já protagonizadas pelo Capitão América. E aqui no Superscans você lê na íntegra a tradução desta matéria!

Não esqueça de deixar seus comentários, ok?

detail

Como um dos maiores personagens titulares da Marvel, o Capitão América conquistou o idealismo da América, que varreu o país durante a Segunda Guerra Mundial. Criado para capitalizar na tendência de super-heróis que estavam no topo das paradas na indústria de quadrinhos no final dos anos 30 e, posteriormente, instituído como material de propaganda para o Exército dos EUA, a influência do Capitão América vem sendo sentida em todo os quadrinhos há mais de sete décadas.

Ele tem sido parte de algumas das melhores histórias que a Marvel já produziu e tem estado no centro de algumas histórias que quase arruinaram a empresa, mas não importa o que aconteça com o personagem, sempre vai haver um criador à espera para revolucionar o Capitão América para uma nova geração.

A história de um fracote chamado Steve Rogers, que se transforma em um herói para combater a maior ameaça dos Estados Unidos é um conceito atemporal que se estende por gerações e influenciou todo mundo que já passou por algum problema. Com a Marvel pronta para lançar Captain America # 1, vamos conferir em Os 10 Melhores Capitão América Histórias de Todos os Tempos!

10. Capitão América: Operação Renascimento

CapWaid_151401

Durante grande parte da década de 90, o Capitão América estava, basicamente, na UTI depois de um desfile interminável de terríveis escritores, artistas e direções criativas que levaram o personagem direto para a mediocridade. No entanto, por um breve período em meados daquela década, o escritor Mark Waid e o artista Ron Garney tiveram uma passagem pelo personagem que o levou da escória da indústria de quadrinhos e de volta ao destaque.

Ao reintroduzir para o mundo do Capitão América sua antiga paixão, Sharon Carter, e novamente destacando o Caveira Vermelha como o puro mestre do mal no Universo Marvel, Waid tornou o Capitão relevante novamente. Seus roteiros inclinaram mais para o surreal, incluindo coisas como um culto nazista procurando ressuscitar Hitler, mas sua narrativa sofisticada fez o seu estilo superior funcionar perfeitamente.

Não é tão politicamente carregada quanto alguns dos outros artigos nesta lista, mas Operação: Renascimento é uma leitura extremamente divertida, com alguns momentos absurdos espalhados durante a trama.

9. Sob Ataque

sob ataque

Sob Ataque tem uma premissa simples: Barão Zemo e os Mestres do Terror atacam a mansão Avengers, a fim de surpreender e derrotar sistematicamente os Vingadores. A brutalidade que Zemo empregada era tão chocante, porém, que acaba ficando em nossa mente. Roger Stern sempre teve a capacidade de tirar um enredo simples e preenchê-lo com emoção suficiente para transformar qualquer história em um clássico, e Sob Ataque não é diferente.

Ao longo da história, os membros dos Vingadores são espancados até sobrar um resquício de vida e sua casa fica praticamente destruída, mas o que realmente faz a história funcionar é quando Zemo destrói os itens pessoais do Capitão América, de lembranças de sua vida pré-Segunda Guerra Mundial. Com todos mortos há muito tempo, tudo que restou a Steve Rogers são fotos e lembranças de seus amigos e familiares.

O painel solitário do Capitão América embalando as lembranças demolidas a partir de seu passado ainda é um dos momentos mais comoventes da história da Marvel. Recorda o isolamento com que o Capitão América é construído e lembra o público de tudo o que ele perdeu ao longo dos anos. Simples, mas eficaz, que é escrito com maestria.

8. Soldado Invernal

CAPA014_covcol__scaled_800_151401

Em 2005, Ed Brubaker começou a escrever o Capitão América e rapidamente transformou-o no melhor título da Marvel durante aquele período. Seu primeiro grande enredo, Soldado Invernal, entrou em cena e finalmente deixou novamente os fãs empolgados com o personagem de 64 anos de idade. Ao ferver o personagem e fazê-lo voltar às raízes do que realmente funciona, Brubaker criou um épico que foi cuidadosamente traçado com arte fantástica de Mike Perkins, Steve Epting, e Michael Lark .

Soldado Invernal, porém, não deixou de ser controvérso que é , uma vez que contou com o retorno do velho companheiro de guerra do Capitão, Bucky Barnes, que era dado como morto. Descobriu-se que Bucky foi capturado por cientistas russos após seu acidente de avião nos anos 40 e sofreu uma lavagem cerebral para se tornar uma máquina de matar.

O conceito pode parecer um pouco complicado, mas o forte aperto de Brubaker nos personagens e o roteiro inventivo faz toda a história funcionar sem problemas. Puxando a inspiração de filmes de espionagem, como A Identidade Bourne , Soldado Invernal foi um pouco mais intensa e sombria do que a maioria das outras histórias do Capitão América, mas Brubaker teceu aspereza e ação de super-heróis sem problemas.

7. Os Supremos Vol.01

Ultimates_Vol_1_1_151401

Em 2000, a Marvel Comics criou o universo Ultimate, um conceito que atualizou personagens mais populares da empresa para o novo milênio. O primeiro volume de Os Supremos de Mark Millar viu a criação da primeira equipe de super-heróis do mundo, liderada por uma representação mais moderna do Capitão América e executado pela SHIELD.

Esta versão do Capitão América foi mais agressivo do que a interpretação clássica dos anos 60, pois aqui ele não tinha escrúpulos em matar indiscriminadamente seus inimigos. Ele era visto como o soldado perfeito que iria servir o seu país, não importa o preço, e que muitas proferia argumentos raciais sem pensar duas vezes. Ele era durão, completamente fora de contato com o mundo moderno, e rapidamente destruiu a imagem de “escoteiro” que anteriormente atormentava o personagem. Ele era tudo o que um público moderno queria de seus heróis em um mundo que cada vez mais era pintado com tons de cinza.

A própria história girava em torno dos ícones da Marvel como Capitão América, Thor, Homem de Ferro, Hulk e como eles tentaram acabar com uma invasão alienígena iminente. A violência chocante para os quadrinhos só foi acentuado pela arte cinematográfica de Bryan Hitch. A história questionou o papel de um super-herói no mundo moderno e descreveu-os como um grupo profundamente falho de pessoas que talvez não deve ser confiada a segurança da humanidade. Pode não ser o Capitão América clássico, mas é um Capitão América instigante e provocador.

6. A Sombra do Passado

war-and-remembrance

Lamentavelmente breve mas absolutamente brilhante, A Sombra do Passado contou com a equipe criativa do escritor Roger Stern e John Byrne, na primeira vez em que o renomado artista trabalhou com o personagem. A trama durou apenas nove edições, mas a equipe conseguiu elevar alguns dos vilões mais tolos do Capitão América em ameaças reais, fornecendo mais do que motivações bobas para eles atuarem.

Batroc o Saltador, Mister Hyde ,e Barão Sangue estavam temporariamente elevado ao status de protagonistas depois de Stern e Byrne trabalharam com eles. E no que se tornou um momento único em um dos mais famosos do período, Byrne criou um dos painéis de quadrinhos mais memoráveis ​​de todos os tempos quando o Capitão América é forçado a decapitar o Barão Sangue com o seu famoso escudo.

Enquanto assistir vampiros nazistas sendo decapitado soa melhor do que uma luta de almofadas de supermodelos, o verdadeiro destaque destas nove edições foi Captain America # 250, onde o Capitão América brevemente contemplada uma corrida presidencial. Em uma época onde as grandes empresas atuavam sem escrúpulos e os atores foram disfarçados como políticos, esta questão serviu como comentário sucinto para o estado do país na época. É a mistura perfeita de inteligência e fantasia que faz o meio dos quadrinhos uma das plataformas artísticas mais originais por aí.

5. Um Homem Fora do Seu Tempo

cap man out time iii_151401

Apesar de nunca realmente começar a esticar totalmente as suas asas sobre o personagem por um certo período de tempo, Mark Waid realmente consolidou-se como um dos melhores escritores do Capitão América atualmente nos quadrinhos. Mas, como ele provou ao escrever Homem-Aranha, o Flash, e o Quarteto Fantástico, Waid praticamente acerta a mão em qualquer personagem que ele escreve, e isso não deve vir como uma surpresa .

Em Um Homem Fora do Seu Tempo, Waid revisita os primeiros dias do Capitão América com os Vingadores depois que ele foi descongelado de um bloco de gelo no Ártico. Ele passa a maior parte da história tentando adaptar-se a um mundo que se moveu sem ele e o vê simplesmente como uma relíquia do passado. Estas questões foram tratadas antes da passagem do escritor, mas Waid realmente desconstrói o homem por trás da máscara e explora o isolamento que o Capitão sentiu pela primeira vez quando ele foi trazido de volta à vida graças aos Vingadores.

Um Homem Fora do Seu Tempo é um exemplo perfeito de por quê os quadrinhos não precisam ser feitos somente de ação para serem divertidos. Como qualquer forma de literatura, tudo que eles precisam é um conceito forte e personagens para trabalhar. Waid sabe disso e é por isso que ele pode assumir um personagem de 70 anos de idade e ainda conseguir surpreender seu público.

4. Guerra Civil

captain-america-civil-war

Em 2006, a Marvel começou a sacudir sua lista de personagens, colocando-os uns contra os outros em uma guerra de ideais. Os heróis estavam divididos sobre a proposta do Ato de Registro Superhumano, um projeto de lei que forçaria todos os heróis a divulgar suas identidades para o governo e se tornarem agentes dos Estados Unidos.

Isso seria liberdade demais para o Capitão América abrir mão, então ele se separou dos heróis pró-registro , liderados pelo Homem de Ferro, e criou um esquadrão renegado focado em impedir que a lei fosse sancionada. A história com grande carga emocional mostrou o quão firme o Capitão é com suas crenças. A história também é, talvez, a mais famosa por ter culminado no assassinato do Capitão América.

Guerra Civil era socialmente relevante e contundente, em que Mark Millar questionou a moralidade de trabalhar fora da lei e também quanto poder o governo realmente deve ter. E também não doeu ver Steve McNiven fornecendo algumas cenas de luta de cair o queixo entre o Homem de Ferro e o Capitão América. Este foi um evento de quadrinhos muito bem executado e a atenção aos detalhes foi evidente em cada painel.

Raramente os tradicionais quadrinhos de super-heróis misturam política e uniformes , mas Millar conseguiu essa noção ao utilizar o Capitão como ponto focal de um movimento inteiro. Guerra Civil mostra Steve Rogers como um herói que tem como objetivo preservar os ideais da América, mesmo que isso signifique lutar contra o governo americano.

3. A Morte do Capitão América

dead_151401

No mundo dos quadrinhos, a morte nada mais é que uma forma de passar o fim de semana. Mensalmente, personagens aparentemente morrem e, em seguida, levantam-se do túmulo, e é geralmente antes mesmo das roupas de funeral de seus entes queridos voltarem da lavanderia. Assim, quando Ed Brubaker matou o Capitão América em 2007, os fãs não acreditaram realmente que o Vingador iria bater as botas por muito tempo, no entanto, o que eles não previram foi que o enredo seria quase impecável.

Brubaker removeu o Capitão América de sua própria revista e de alguma forma fez uma revista extraordinárioa em algo ainda melhor. Ao fazer o seu parceiro de longa data, Bucky Barnes, se tornar o novo Capitão América, Brubaker acrescentou um nível de vulnerabilidade e insegurança para o personagem que nunca tinha sido visto antes. Com batalhas com o Homem de Ferro, a filha do Caveira Vermelha, e as corporações corruptas, essa história era muito mais sofisticada e em um ritmo metódico comparado aos quadrinhos anteriores. E enquanto a trama ia se alastrando, Brubaker foi adicionado pilhas de comentários político, mistério e ação.

Esta é um história em quadrinhos no seu melhor, e mesmo que mortes de personagens tendem a ser um pouco cliché, A Morte do Capitão América é um marco na história do gênero.

2. Capitão América #01

1941-captainamericacomics1_151401

Esta é a edição em que tudo começou. Criado por Jack Kirby e Joe Simon em 1941, o Capitão América foi uma resposta direta para o sucesso da DC Comics com os super-heróis como Superman e Batman durante a década anterior. Captain America Comics # 1 chegou às bancas poucos meses antes do bombardeio de Pearl Harbor e tinha na capa a chegada do personagem homônimo acertando o queixo de Adolf Hitler. Foi ousado, polêmico, e acabou vendendo mais de 1 milhão de cópias. Timely Comics (mais tarde conhecida como Marvel) teve um sucesso em suas mãos, mas poucos imaginavam que 70 anos depois o personagem ainda estaria na ativa.

O interior da edição é dividida em várias histórias, mas o mais famoso é Conheça o Capitão América. Apresentando como um magricela, rejeitado pelo exército, chamado Steve Rogers, se transforma em um gigante patriótico, origem do Capitão América ainda resiste apesar de ter sido criado nos anos 40. Ela não precisa de atualização, nem releitura, nem reconstrução, ele simplesmente captura tudo o que é grande sobre o personagem. É singular, e um pouco exagerado, mas ainda incrivelmente relevante.

Combinando problemas do mundo real , com quadrinhos de fantasia , Captain America Comics # 1 criou uma imagem tão perfeita do personagem que não tem havido uma necessidade de muitas mudanças ao longo dos anos. Esta edição deve ser lida por qualquer um que afirma ser um fã de quadrinhos e está interessado em ver como a indústria evoluiu ao longo dos anos.

1. Capitão América Nunca Mais!

Nomore_151401

Apesar do recente sucesso do Capitão América com escritores como Ed Brubaker e Mark Millar, Mark Gruenwald ainda detém a distinção de ser o melhor talento que já trabalhou no personagem. Suas histórias do Capitão América, possuíam a ação de quadrinhos que todos os fãs anseiam, mas eles também continham uma quantidade saudável de comentário social o que elevava o título a algo maior.

O magnum opus de Gruenwald sobre o personagem foi o épico Capitão América Nunca Mais, que se estendeu por 18 edições. A trama focava sobre a aposentadoria forçada do Capitão após sua recusa em se tornar um agente patrocinado pelo governo. Esta foi uma premissa inovadora para o Capitão América, que muito raramente se manifestou contra o governo que ele tanto admirava. Enquanto o governo trabalhava para encontrar seu substituto, o Capitão América começou a trabalhar fora da lei e adotou uma nova identidade, o Capitão.

Ao ter Steve Rogers enfrentando o governo, a fim de preservar suas próprias crenças, Gruenwald quebrou o molde de muitos outros escritores sobre o personagem e os leitores ficaram chocados no processo. Capitão América Nunca Mais é uma obra seminal em quadrinhos que desconstrói a personalidade do herói e o reconstrói como um personagem muito melhor e mais interessante.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

4 thoughts on “Top 10 Melhores Histórias do Capitão América de Todos os Tempos

  1. Comecei a colecionar Gibis em 1986, e confesso que ainda me impressiono com várias coisas nesse mundo, entre elas: 4.Guerra Civil, 5. Um Homem Fora do Seu Tempo, 7. Os Supremos Vol.01, 8. Soldado Invernal, 10. Capitão América: Operação Renascimento. Estas histórias estarem entre as 10 melhores do C.A?!! Desenhos esdrúxulos, histórias …(nem vou comentar) profanaram as memórias de Sharon Carter e Bucky Barnes, isso chega a ser considerado um crime com requintes de crueldade! Cadê as histórias dos grandes e geniais artistas Sal Buscema, Jim Steranko, Mike Zeck? Não vou nem me dar ao trabalho de tentar saber o que é Complex Pop Culture (que elegeu as10 Melhores Histórias do Capitão América de Todos os Tempos)! Total descrédito, piada de mau gosto!

  2. Não dá para eleger quais histórias com o Capitão America é a melhor baseando-se pelo gosto pessoal. Lógico que quem elaborou essa lista merece ser respeitado pelo simples fato de conseguir gerais discussões a cerca desse personagem. Nessa lista aparecem dois títulos campões de vendas: Captain America #25 (Civil War Epilogue) “A Morte do Capitão América” com a surpreendente tiragem: 317 700 em março de 2007 comprovando que esta fase é a melhor de todos os tempo desse personagem. Civil War “Guerra Civil” com tiragem (341 856). Não acho as escolhas dessa lista desonrar os títulos anteriores. Longe disso, abordam boas histórias que foram e serão sucessos no cinema também!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


This blog is kept spam free by WP-SpamFree.